AS NOSSAS PARTILHAS

quarta-feira, 21 de abril de 2010

CONSCIENCIA FONOLÓGICA

Depois de termos estado a conversar sobre a diferença entre semear e plantar, planeamos fazer um registo.





Depois de fazermos o desenho a nossa Educadora escreveu o que cada imagem significava.




- Semear começa pela letra do nome da minha mãe - Susana - e plantar pela letra do nome do meu pai - Paulo - disse o Rafael.

A partir daí as palavras começaram a surgir.




Aos poucos lá fui explicando que todas as palavras com o som (sss...) começavam pela mesma letra o S e todas as palavras com som (p) começavam pela mesma letra o P

Expliquei-lhes também que para se escrever determinada palavra era preciso utilizar determinadas letras e que as mesmas tinham que ter uma certa sequência.



Pegamos então nas nossas "Caixas das Letras" que tanto usamos no ano passado e passamos à exploração.

Começamos pela palavra SOFIA - se retirarmos o I fica



Mas se colocarmos novamente o I e substituirmos o F pelo N escrevemos uma palavra completamente diferente.

- A tua filha é Sofia e a minha irmã é Sónia - disse prontamente o Ricardo




- E se pusermos estas duas letras, o que é que se lê professora?
- Não pudemos juntar as letras á sorte. Há letras que juntas não se conseguem ler.


-Já ouviram falar no A, E, I, O, U ? - perguntei.
A maioria já ouvira.
- Essas letras chamam-se vogais e são muito importantes pois têm que estar sempre perto das outras letras, que se chamam consoantes para que consigamos ler palavras.
- E se juntarmos estas duas ( A I) também não consegues ler? - perguntou novamente o Rafael
- Essas consigo. Pudemos juntar duas vogais. Assim diz AI.
E começou a brincadeira. Á medida que ia lendo AI, AU, EI ia dando a entoação e gesticulando.


Aos poucos foram percebendo a necessidade de alternar vogais e consoantes e realizando experiências.

Diversos estudos têm demonstrado a importância do desenvolvimento da consciência fonológica para a aquisição da leitura e escrita.
A consciência fonológica desenvolve-se pelo contacto das crianças com a linguagem oral e escrita.
É pois fundamental que a criança contacte o mais cedo possível com a linguagem oral e materiais escrito para que se aperceba que as frases podem ser divididas em palavras, as palavras em sílabas e as silabas em fonemas. Bem como determinados fonemas se repetem em diferentes palavras.

2 comentários:

  1. Amiga.
    A tua ideia das caixas é deveras preciosa. Vou copiar esta ideia , se me permites.Já agora , são caixas de fósforos das grandes?.
    Adoro também trabalhar a consciência fonológica, mas utilizo caixas de sapatos, onde coloco várias palavras associadas á letra do abecedário, mas a tua ideia ocupa menos espaço e dá para construção de palavras.
    Parabéns e obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
  2. São realmente caixas de fósforos grandes forradas. Dentro guardam letras recortadas de revistas que de vez em quando as crianças cortam e separam. Utilizo-as para diversas actividades mais orientadas mas estão sempre à disposição das crianças. Além de jogos, fazem colagens, trabalhos que impliquem escrita de letras quando disso não são capazes, etc.
    São um óptimo recurso para iniciarem a escrita do próprio nome.

    Obrigada pelo comentário e bom trabalho.
    Cristina

    ResponderEliminar