AS NOSSAS PARTILHAS

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Estrelas de Natal


Tal como aconteceu no ano passado, vamos tornar um dos arbustos do nosso recreio em Árvore de Natal.
O desafio é utilizar materiais de desperdício nas decorações por isso decidimo-nos pelas estrelas realizadas com embalagens Tetrapack.

Mamãs por favor ajudem-nos e enviem pacotes de leite ou sumo vazios.

Parabéns Pedro

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

CRESCER A BRINCAR

QUEREMOS BRINCAR MAS TAMBÉM QUEREMOS CRESCER!

Preparar a criança para a vida adulta implica , além da transmissão de conhecimentos, ajudá-la a ajustar-se a um meio onde existem regras que ela deve respeitar. O desenvolvimento da disciplina e do auto-controlo na sala de atividades promovem estes dois objetivos: facilitar o processo de ensino aprendizagem e o de contribuir para o crescimento das crianças no respeito pelas regras nstituídas pela sociedade.

Durante o presente ano letivo trabalharemos com as crianças, de uma forma divertida, a sua capacidade de se auto-regular e disciplinar fator essencial ao seu sucesso e bem estar.

Como facilitadores dos nossos objetivos teremos ao longo do ano apoio de vários tecnicos e materiais:
O ASAS de Ramalde com o projeto "Re-agir, Ramalde escolhe Agir" é um deles.

Ás terças-feiras de quinze em quinze dias, recebemos a visita de uma ou duas psicólogas para trabalharem connosco algumas competências socio-afetivas.
Na passada terça-feira a Luisa veio apresentar-nos o Inspetor Lupinhas.
Ele fez uma grande descoberta sobre o IRREQUIETO

Os adultos muitas vezes chamam IRREQUIETOS aos meninos e meninas. Mas quando o Inspetor Lupinhas foi observar descobriu que tudo não passa duma confusão dos adultos Eles não sabem que existe o IRRE e o QUIETO
Este é o IRRE.
Ele gosta muito de se mexer, mas como não tem braços nem pernas, nem língua. Por isso, para se mexer, precisa das pernas, dos braços e da língua dos meninos. Quando o IRRE vê um menino ou menina muito bonitos, entra neles e mexe-lhes as pernas, os braços, a lingua e não o deixa estar sossegado.
Este é o QUIETO.
Gosta muito de estar sossegado e calminho dentro dos meninos para eles poderem fazer muitas outras coisas.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Pôr o medo a fugir

"Contar histórias que falem sobre o medo e formas de o ultrapassar é importante para desmistificar os medos das crianças."
.
Hoje recebemos a visita da Verónica para mais uma sessão do projeto" Histórias à Lupa" Estava previsto irmos à Biblioteca mas como a meteorologia previa chuva a Verónica disponibilizou-se a vir à nossa escola.
O objetivo desta segunda sessão foi ajudar as crianças a lidar com o seu medo.


A história escolhida para tal foi " TIO LOBO"
"Tio Lobo" é um conto popular com tradição em países europeus como França e Itália. Trata-se de um texto politicamente incorreto que introduz os primeiros leitores no mundo dos contos de terror. (...)"



uma história mesmo ASSUSTADORA!!!!!!!!!



depois de a ouvirmos estivemos a trabalhar as emoções e os medos.


sexta-feira, 4 de novembro de 2011

A filha do Grufalão


More PowerPoint presentations from Paulo Gomes

Hoje ouvimos mais uma história do saco da Verónica. Esta chamava-se "A filha do Grufalão"

«Nenhum grufalão deve entrar na floresta escura - disse o Grufalão; mas uma noite, a filha do Grufalão resolveu ignorar o aviso do pai...»


Depois com esta imagem estivemos a construir um boneco animado.
Inicialmente pensavamos que era o Grufalão mas quando a Ed. Cristina pediu que olhassemos com mais atenção descobrimos que não.
- Tem uns paus na mão - disse a Tamara
- Tem cabelo e o Grufalão não tem - disse a Luana
- Não tem dois chifres grandes como o Grufalão - disse a Lara
- Então é a filha do Grufalão ! disseram várias crianças.

E lá metemos mãos á obra.


 

Frutos do Outono e as nossas descobertas

Hoje de manhã a Mafalda, trazia guardado num pequeno saco um tesouro!
No momento da reunião de grupo abriu o seu saquinho para que todos pudessem observar o que continha:
FRUTOS DO OUTONO
Depois de uma breve observação, chegamos á conclusão que era necessário separá-los para que melhor concluíssemos quantas qualidades de frutos tínhamos e como se chamavam:
Concluímos pois que eram quatro tipos diferentes de frutos e que não sabíamos o nome de todos.
O Afonso sabia que uns se chamavam PINHÕES e que se comiam no Natal, o Gustavo também sabia que um outro se chamava NOZ, mas, e os outros? Aqueles redondinhos seriam castanhas? E o outro que quando abanávamos pareciam que tinham alguma coisa lá dentro? Como se chamaria?
A Educadora explicou que um deles se chamava amêndoa e os outros avelãs. Explicou também que nem um nem os outros se podia comer assim, tínhamos que partir a casca dura e só depois comíamos o fruto que estava lá dentro.
E assim foi.
Depois de partir com o martelo a amêndoa e as avelãs realizamos uma degustação.

Mas o nosso interesse estava naqueles frutos pequeninos que o Afonso dizia serem PINHÕES.
A Educadora Cristina explicou que eles nasciam nas pinhas dos PINHEIROS.


 Para melhor percebermos, a Educadora Cristina foi buscar duas pinhas que estavam na sala e mostrou como elas guardavam com muito cuidado no seu interior aquelas pequenas sementes que quando caíssem na terra iriam dar origem a novos pinheiros.

 Explicou também que quando chovia as pinhas se fechavam para que as sementinhas (PINHÕES) não se molhassem e apodrecessem.
Claro que, curiosos como somos, quisemos logo verificar. Enchemos uma bacia com água e mergulhamos a pinha.
Pensávamos que ela ia logo fechar-se mas isso não aconteceu. Resolvemos então colocá-la num local acessível ao nosso olhar e ficar a controlar enquanto brincávamos.
Ás 10h, ( fim de meia hora) parecia que ainda nada tinha acontecido mas ...
Ás 10h30, quando arrumamos para tomar o lanche ...
- Está fechada ! Professora a pinha está fechada !




Pôr o medo a fugir

Da nossa ida á Biblioteca Almeida Garrett para participar no projeto "Histórias à Lupa" têm surgido diversas atividades.
A Verónica emprestou-nos um saco cheio de livros para que possamos mandar o medo embora.

Já lemos:
Depois estivemos a observar imagens e a conversar sobre aquilo que nos assusta:


A trovoada e as aranhas foram os mais referidos.


 Ontem ouvimos a nossa Educadora contar-nos esta história:
A Magui no seu desenho faz-vos a sinopse da história:
O Picos convidou o Dino para ir dormir a casa dele mas o Dino fazia xixi na cama e tinha medo de ir dormir a casa dele ...
O Henrique  até comentou
-Não tem mal, às vezes acontece!

Depois a nossa Educadora propôs pintarmos um desenho do Dino. Tínhamos de ter cuidado e ver na história as cores certas para colorir a imagem. Quando acabamos cortamos as diversas partes do corpo do Dino e voltamos a colar


Até a Matilde, que é pequenina,  conseguiu fazer o trabalho muito bem.


Gostamos muito desta história.